Crónicas Mundo ao segundo - Covidiário 10: só houve um dia em que se registaram mais casos. Ontem. Brasil, Índia e Peru com record de casos, e mais.


por Carlos Bonaparte em 31-05-2020 às 14:24

Todos os dados foram obtidos às 14:20


Destaques



Se quiser, leia o Covidiário de ontem e use-o como termo de comparação.

Dados gerais

No dia de ontem registaram-se 124103 casos e 4084 óbitos. Assim, com 6150483 casos e 370506 mortes, a taxa de mortalidade situa-se nos 6,02%, uma redução de 0,06% que tem tudo a ver com a quantidade de casos.
O Brasil registou o seu pior máximo, pelo 4º dia concecutivo. 30102 casos, 890 mortes. Bastantes mais casos que os Estados Unidos da América, que registaram 23290 e 1015 mortes. A Índia bateu hoje máximo histórico, com 8336 casos. Já a Rússia, viu o número de casos aumentar, para 8952.
A 2ª vaga, afinal é 3ª e pode não ser a última

No dia 17 de Março, quando a Antena Web passou a informar duas vezes por dia o desenrolar dos acontecimentos referentes à Covid19 no mundo, vivíamos o início de uma 2ª vaga. A que atingiu a Europa e os Estados Unidos da América. Nessa altura, nos primeiros dias o mundo registava uma taxa de recuperabilidade de 32,5%, que começou a diminuir drasticamente com o aumento do número de casos na Europa.
Depois, entre finais de Abril e princípios de Maio, essa vaga começou a ser ultrapassada. A taxa de recuperabilidade começou a aumentar novamente, mas então uma 3ª vaga surgiu, atacando com força os países da Ásia e América do Sul, países que já registavam alguns casos, mas nada como se observa atualmente.
Resta saber quando é que este vírus atacará o continente africano com força, embora já tenhamos visto isso acontecer em países como o Egito ou a África do Sul, sendo que é este último quem regista mais de metade dos casos de todo o continente africano. Tem havido um aumento, mas tendo em conta a população deste continente, é espectável que os números ainda venham a ser mais expressivos. Seja como for, a Organização Mundial de Saúde disse, em comunicado, na passada quinta-feira, que uma 2ª vaga era cada vez menos provável. O que sugere que essa 2ª vaga poderia atacar novamente a Europa e os Estados Unidos. Mas ela será, na realidade, uma 4ª vaga. E de cada vez que surge, infeta mais e mata mais.
Até ao dia de ontem a Europa, com 48 países infetados, registou 2004226 casos de Covid19, e perdeu 173280 vidas por causa desta doença, sendo que ainda há 8796      pessoas internadas nos cuidados intensivos A taxa de mortalidade é de 8,65%..
Na América do Sul, com 14 países infetados, registaram-se até ontem 844619 casos e 39315 mortes. A taxa de mortalidade é de 4,54%.

Os falsos recuperados: a grande causa para a nova vaga.

Recentemente vários países começaram a adotar a medida de 1 teste negativo para considerarem um doente recuperado. A medida teve um efeito imediato: o número de recuperados disparou.
No Brasil, mesmo com mais de 110 mil casos nos últimos 5 dias, o número de recuperados é de 205371, quase tantos casos como os ativos: 264235. O número de casos recuperados é proporcional ao número de novos casos.
Em Portugal, por exemplo, o número em 1 mês cresceu de menos de 2 mil para 19186.
Vários países têm adotado esta medida, e o efeito parece ser que falsos recuperados ficam livres para, confiantes, infetarem involuntariamente outras pessoas. É verdade que ainda não há, publicamente pelo menos, estudos que comprovem a relação dos 2 dados, mas certo é que no início da pandemia, um recuperado só o era quando tinha, em 14 dias, 2 testes negativos. Depois passou para 48 horas, e acabou a que um infetado que não ficou internado, precise apenas de 1 teste negativo para se considerar recuperado. Isto é, o tempo e o número de testes que um infetado leva a considerar-se recuperado é proporcional à força com que sucessivas vagas atingem os países. Quanto menos tempo de até à recuperação, quanto menos testagem, mais novos casos positivos são obtidos.

Os países com uma taxa de mortalidade superior a 10%


Atualmente há 11 países que se encontram nesta situação. O Yemen tem a pior taxa alguma vez registada no mundo, como antes o havera tido, mas ela piorou ainda mais. Agora é de 24,83%. Confiramos os dados mais recentes, tendo em conta que os dados do México já pertencem ao dia 31, mas todos os restantes pertencem ao dia 30 ou anteriores, nos casos em que não se registaram novos casos.

PaísCasos - mortes totalCasos - mortes nas últimas 24 horasTaxa de mortalidade hojeTaxa de mortalidade ontem
Yemen310 - 7727 - 1224,83%22,97%
Sint Maarten77 15- - 19,48%19,48%
Bélgica58186 - 9453125 - 2316,25%16,24%
França188625 - 287711828 - 5715,25%15,37%
Itália232664 - 33340416 - 11114,33%14,31%
Reino Unido2728261604 - 21514,07%14,07%
Hungria3867 - 52426 - 713,55%13,46%
Países Baixos46257 - 5951131 - 2012,87%12,86%
Suécia37113 - 4395637 - 4511,84%11,93%
México87512 - 97792885 - 36411,17%11,13%
Bahamas102 - 11- - -10,78%10,78%


Comentar





Voltar página anterior