Crónicas Mundo ao segundo - Covidiário 08: Casos voltam a aumentar em todo o mundo, mas agora com mais intensidade. Confira o que pode ser a 2ª vaga.


por Carlos Bonaparte em 28-05-2020 às 23:56

Todos os dados foram obtidos às 23:30


Destaques



Se quiser, leia o Covidiário de ontem e use-o como termo de comparação.

Porquê o Covidiário tem sido Covid, mas não diário?

Esforçamo-nos para levar até vós informação de qualidade. Isto significa que buscamos rigor nas informações que prestamos.
Muito recentemente os países começaram a adotar novas formas de contabilização, e isto tem gerado inúmeras correções, e algumas controvérsias. A mais recente foi em França e gera tanta ou mais controvérsia do que a noticiada no dia 25 de Maio sobre Portugal. Isto impede-nos de ter uma regularidade nesta crónica, mas fazemos o possível para que tal, de facto, aconteça.

Dados gerais

No dia 27 de Maio registaram-se 106475 casos e 5283 mortes, o que significou um forte acréscimo face aos dias anteriores.
É como se nenhum retrocesso tivesse acontecido, bem pelo contrário. No dia de hoje, e ainda faltando o fecho de alguns países, sobretudo o Brasil, registam-se 84146 casos e 3537 mortes, mas estes dados serão atualizados amanhã, de maneira mais precisa.

Até ao dia de ontem, já concluído, registaram-se 5784603 casos e 356937 mortes. A taxa de mortalidade agora é de 6,17%, o que equivale a uma ligeira descida de 0,02%.
Os destaques vão para os EUA que registaram 20546 casos e 1535 mortes e para o Brarsil, que registou 1148 mortes, e o maior número de casos num só dia: 22301.

O estranho caso bielorrusso.

Na Bielorrússia o Covid19 é uma doença quase matemática, senão vejamos:
E assim sucessivamente.

A Bielorrússia é um país cujo regime em vigor é uma ditadura, e por isto facilmente se compreende porquê que, salvo 1 dia, nunca morrem mais de 5 pessoas, mesmo com cerca de 930 casos por dia, há mais de 1 mês.

Os dados em França e em Espanha

Nos últimos dias a França corrigiu o número de casos em excesso, referentes às casas de saúde e cuidados continuados, lares de idosos, etc. No dia de hoje o número disparou para 3325, sendo que a maioria destes foram correções, agora em soma e não subtração, de casos nos mesmos espaços.
Em Espanha em 2 dias houve duas mortes. Somaram-se 1137 casos, mas apenas 282 correspondem às últimas 24 horas.

"Se não puderes contra eles, junta-te a eles"

Parece que é desta forma que a União Europeia está a lidar com a crise gerada pela Covid19. Esta união de países criou um fundo perdido de 500 mil milhões de euros, e uma linha de crédito de 250 mil milhões de euros, cujas taxas de juro ainda estarão a ser negociadas.
Portugal deverá receber 15 mil milhões de euros desse fundo perdido, e 11 mil milhões de euros que deverá devolver, com, ou sem juros, mas terá que devolver. Seja como for, esta "dádiva" vem com contrapartidas, para todos os países da UE. Foram projetados 5 novos impostos para devolver o fundo perdido.


Segundo as estimativas, a UE pode arrecadar cerca de 420 mil milhões de euros em 14 anos, com estes impostos, o que é pouco crível visto que em 14 anos os preços irão sofrer bastantes alterações. Ou seja, o mais provável é que a UE arrecade mais do que aquilo que investe agora. Este só se considera um fundo perdido, porque se os impostos mudarem ou os ganhos forem inferiores ao previsto, os países não ficam em dívida por causa disso.

Os países com uma taxa de mortalidade superior a 10%


O número de casos tem sempre sido superior a 90 mil, sendo que no dia de ontem superou os 106 mil casos, e hoje, ainda com dados a ser contabilizados, já ultrapassou os 92 mil. Isto faz com que quase obrigatoriamente a taxa de mortalidade desça de forma significativa. As constantes correções também têm feito balancear os dados de forma muito tempestuosa, mas certo é que o Yemen vive uma crise humanitária bastante grave, e que se acentuou com o Covid19. Atualmente também o Peru enfrenta dificuldades severas, seja com falhas na energia elétrica, serviços de internet, e o pior de tudo: no serviço nacional de saúde.
Atualmente há 12 países que se encontram nesta situação. Os dados que a Espanha corrigiu atiraram a Espanha para uma taxa de mortalidade em baixa, já bem longe dos 10%, mas a Libéria tem registado mais mortes e menos casos, do que noutra fase da evolução da pandemia naquele país... e voltou onde já esteve, e com taxas bastante altas na época. Tendo em conta que a França corrigiu o seu número de casos, confiramos os dados mais recentes, com todos eles do dia de hoje, 28 de Maio.

PaísCasos - mortes totalCasos - mortes nas últimas 24 horasTaxa de mortalidade hojeTaxa de mortalidade ontem
Yemen278 - 5722 - 420,50%20,70%
Sint Maarten77 15- - 19,48%19,48%
Bélgica57849 - 9388257 - 2416,23%16,26%
França186238 - 286623325 - 6615,39%15,63%
Itália231732 - 33142593 - 7014,30%14,31%
Reino Unido269127 - 378371887 - 37714,06%14,02%
Hungria3816 - 50923 - 413,34%13,31%
Países Baixos45950 - 5903182 - 3212,85%12,83%
Suécia35727 - 4266639 - 4611,94%12,03%
México78023 - 85973463 - 46311,02%10,95%
Bahamas100 - 11- -11%11%
Libéria269 - 273 - 010,04%10,11%


Comentar





Voltar página anterior